Heitor Marcelino Domingues

De Porcopedia - A Enciclopedia do Palmeiras

HEITOR
Heitor Marcelino
Informações pessoais
Nome Completo Ettore Marcelino Domingues
Nascimento 19 de dezembro de 1899
São Paulo (SP) São Paulo Brasil Brasil
Falecimento 21 de setembro de 1972
São Paulo (SP) São Paulo Brasil Brasil
Altura
Peso
Destro
Apelido Heitor
Informações profissionais
Número
Posição Atacante
Clubes de juventude
1915 Brasil São Paulo Mackenzie
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (gols)
1915 BrasilSão Paulo SC Americano
1916-1931 BrasilSão Paulo Palestra Italia 358 (327)
Seleção nacional
1919-1930 Brasil Seleção Brasileira 11 (4)

Filho de espanhóis, Ettore Marcelino Domingues começou a jogar no quadro infantil do Colégio Santo Alberto e depois no Colégio do Carmo, onde estudava. Em 1915 começou a disputar os torneios oficiais pelo segundo quadro do Sport Clube Americano, clube extinto fundado originalmente na cidade de Santos que acabou mudando sua sede para a capital, e no ano seguinte, 1916, passou para o primeiro quadro. Ainda em 1916 passou a atuar pelo Palestra Italia, onde se tornou titular absoluto e destacou-se pela força física e pela capacidade de finalização, levando-o em poucos meses à Seleção Brasileira de Futebol, marcando gol em sua estreia, no dia 13 de maio de 1917.


Tabela de conteúdo

Biografia

Vicente Caropreso, Heitor Marcelino, Oscar Paolillo, De Lucca (Quillin), Renato Polillo, Armando de Lucca e Paulo Butrício, diretor. Campeões Paulista de Basquete, 1928. Foto: Palestrinos
Já no final da carreira, Heitor conversa com o jovem Romeu Pellicciari

O paulistano Ettore Marcelino Domingues – que viria a ser chamado de “Heitor” pela torcida que defenderia por tantos anos – começou a se destacar cedo. Este filho de imigrantes espanhóis debutou no futebol “de primeiro quadro”, como se dizia dos times principais, em 1916, pelo extinto bicampeão paulista SC Americano. Naquele mesmo ano, porém, juntou-se às fileiras do jovem Palestra Italia, e de lá só sairia quinze anos depois, multi-campeão e maior artilheiro da história do clube, status que mantém até hoje. Símbolo de amor ao esporte e a uma instituição, marcou toda uma geração palestrina dos anos 20 e 30.

Rivalizou a popularidade com o genial Friedenreich – o qual era grande amigo - e com ele fez dupla nas seleções e combinados paulista e brasileiro da época. Mantinha a fisionomia sempre alegre. Esta mesma alegria dividia com a gente esmeraldina a cada gol ou conquista alcançada pelo seu clube. Palestra Italia e Heitor se confundiam no início dos tempos. Era uma simbiose. Suas qualidades não se restringiam apenas ao esporte das multidões. Em sua história reservou espaço também para a prática do Tênis de Mesa, Voleibol, Atletismo e Basquete todos vestindo a camisa alviverde.


Carreira

Heitor estreou pelo Palestra Italia em Campinas, em um amistoso contra o Guarani. Mas naquele 12 de novembro de 1916, o placar não saiu do zero. Somente em sua terceira partida, amistoso em Santos contra o Brasil local, ele iria às redes pela primeira vez, na vitória por 2 a 1 em 25 de março de 1917.

A força, velocidade e habilidade do rapaz de 18 anos chamaram a atenção até mesmo da Seleção Brasileira. Em 13 de maio deste mesmo ano de 1917, ele se tornou o primeiro palestrino a atuar pelo escrete nacional, no amistoso contra o Sportivo Barracas (2×1), da Argentina. De quebra, ao anotar o gol que abriu o placar, se tornou o primeiro atleta de nosso time a marcar pelo selecionado brasileiro.

Sua carreira continuou prolífica, e assim Heitor foi convocado (junto com seu companheiro Bianco) para disputar o Campeonato Sul-Americano de Seleções (a atual Copa América), em 1919. Desta forma, foi campeão do primeiro grande título de nossa Seleção, com direito a participar do gol decisivo – uma cabeçada sua deu rebote, aproveitada por Friedenreich. Posteriormente Heitor também venceria a edição de 1922 e, em 1929, chegou a atuar no gol em um amistoso contra os uruguaios do Rampla Juniors, por uma contusão do goleiro Jaguaré, Heitor defendeu o gol brasileiro nos últimos minutos, sem sofrer nenhum gol. Sua última partida pelo time nacional foi em 1930: 3 a 2 sobre a França, com dois gols seus. No geral, foram 11 partidas e 4 gols vestindo branco (a cor da Seleção Brasileira na época).

Faltavam as conquistas pelo Palestra, mas a primeira não tardou a vir: foi o Paulista de 1920, o primeiro de nossa longa lista. Durante a campanha, ele marcou seis gols na goleada de 11 a 0 sobre o SC Internacional - recorde individual na história do Verdão, tornando-se o jogador que marcou o maior número de gols numa só partida, o qual permanece insuperável até hoje.

O título de 1920 não foi seu único: Heitor levantaria também as taças de 1926, marcando 4 gols na partida decisiva (7×1 contra o Sílex), e 1927. Conquistou ainda o Paulista extra de 1926, o Torneio Início de 1927 e a Taça de Campeões Rio-São Paulo de 1926. Como se não bastasse, foi bi-campeão paulista de basquete, em 1928 e 1929. Em 1928 conseguiu um feito notável: artilheiro do campeonato paulista daquele ano, no intervalo entre os jogos, treinava e atuava na equipe de basquete do clube, levando-a à conquista do campeonato estadual de basquete de 1928.

Foi artilheiro do Estadual duas vezes: em 1926 (com seu companheiro Domingues e Filó, do Paulistano) e em 1928. É também o maior artilheiro verde nos Derbys, com 14 gols.

A última de suas 358 partidas pelo Palestra Italia ocorreu em 3 de janeiro de 1932, na vitória por 5 a 2 sobre o Germânia, pelo Campeonato Paulista. Heitor se despediria da forma como deixou gravada sua passagem pelo clube: com seu 327º gol marcado.


Árbitro de futebol

Goleiro José do Corinthians evita o gol do Santos sob olhar atento do árbitro Heitor Domingues

Aposentado dos gramados como jogador, Heitor manteve-se dentro dos estádios em nova função: árbitro de futebol. Pois é, e dos bons: apitou até decisão de Paulista, em 1935. Também fez parte da inauguração do Pacaembu: apitou as duas partidas que nos deram o título da Taça Cidade de São Paulo, torneio que teve como palco o novo Estádio Municipal (Palestra Italia 6 x 2 Coritiba e Palestra Italia 2 x 1 Corinthians). Inaugurou também o romântico Estádio Conde Rodolfo Crespi, a famosa Rua Javari, do Clube Atlético Juventus.


Primeiro ídolo palestrino

Sem dúvida alguma, Heitor foi um personagem único. Um multiesportista dos mais respeitados. Marcou 327 gols com a camisa alviverde em 358 jogos disputados. Foi um dos primeiros ídolos da torcida palestrina e responsável pelas grandes conquistas alviverdes. Foi titular da Seleção Paulista de Futebol de 1917 à 1930. Atuou pela Seleção Brasileira e foi decisivo nas conquistas dos Campeonatos Sul-Americanos de 1919 e 1922. Foi seu o primeiro gol na história do Estádio Palestra Itália, tendo o Palestra como seu proprietário. Em 1923, Heitor registra um recorde no futebol paulista, tornando-se o jogador a fazer o maior número de gols numa única partida vestindo a camisa da Seleção Paulista, ao marcar sete gols diante da Seleção do Paraná, o qual permanece até hoje.

Nosso grande artilheiro se foi em 21 de setembro de 1972, aos 73 anos; poucos dias antes o Palmeiras havia levantado o título paulista daquele ano. Heitor pôde despedir-se vendo seu Palmeiras, que ele tanto ajudou a ser grande, seguindo sua senda de vitórias.

  • Fontes:

- Blog do IPE
- Que fim levou? por Fernando Galuppo


Recordes

- Heitor é recordista absoluto em gols anotados pelo Palestra Italia: 327.
- Possui também o recorde de mais gols marcados em um único jogo (6 gols) em 08 de agosto de 1920, numa goleada de 11 a 0 contra o SC Internacional de São Paulo. Recorde que permanece até hoje. Além disso, marcou 5 gols em um único jogo em 2 oportunidades.
- É o 20º jogador que mais vestiu a camisa do Palmeiras, com 358 jogos.
- É o 3º jogador mais jovem a marcar um gol pelo Palestra Italia/Palmeiras, fazendo gol com 17 anos, 11 meses e 13 dias. Perde para Mazzola (17 anos, 6 meses e 5 dias) e Vinícius (17 anos, 7 meses e 6 dias).
- Foi o mais jovem (18 anos), a vestir e marcar um gol com a camisa da Seleção Brasileira de futebol.
- Fez o 1º gol na história do Estádio Palestra Itália, tendo o Palestra como seu proprietário.


Títulos

Palmeiras - Futebol


Palmeiras - Basquete

  • Campeonato Paulista: 1928 e 1929
  • Taça AASP: 1928


Seleção Brasileira

  • Brasil Campeonato Sul-Americano: 1919 e 1922.


Estatísticas

  • Partidas pelo Palmeiras: 358
  • Gols pelo Palmeiras: 327 (recordista do clube)
  • Partidas pela Seleção: 11
  • Gols pela Seleção: 4

Ferramentas pessoais